Blog
Domingo, 19 Novembro 2017 21:37

 

As definições dos projetos e ações para 2018 marcaram o último dia do Planejamento Estratégico da Uniodonto Amapá. O que fazer para concretizar e materializar cada objetivo foi o que direcionou o cronograma de ações construído pelos cooperados.

A odontóloga Dra. Eliete Borges participou dos dois dias de programação. Para a profissional o momento é essencial para que os resultados possam ser alcançados por meio das ações que serão executadas.

"É o momento de parar, refletir, planejar e se unir para fortalecer ainda mais a cooperativa. Ficamos satisfeitos com os resultados e confiantes nos próximos passos que serão executados", compartilhou a dentista.

Para a presidente da Uniodonto Amapá, Dra. Ana Valéria Silva, a organização da cooperativa e o planejamento demonstram o compromisso com o cooperado e o beneficiário.

"Os frutos do Planejamento poderão ser colhidos por todos. Dividimos as missões e estabelecemos os prazos para as primeiras avaliações. Será um processo permanente e não temos dúvida que os resultados serão gratificantes", destacou a presidente.

Momento Uniodonto

Após o encerramento do Planejamento foi apresentado o Momento Uniodonto onde os cooperados tiveram a oportunidade de ter de forma clara e transparente a prestação de contas da cooperativa e o andamento dos trabalhos executados.

Sexta, 17 Novembro 2017 22:57

Cooperados da Uniodonto Amapá iniciaram nesta sexta-feira, 17, o Planejamento Estratégico 2017/2018. As estratégias que direcionam o trabalho da cooperativa serão traçadas pelos profissionais durante dois dias, sob o comando de Gabriel Pesce.
No início dos trabalhos os cooperados e colaboradores redefiniram a missão, visão e valores da Cooperativa. Na missão, os profissionais seguirão a vertente “Promover a saúde bucal de qualidade com base no cooperativismo”. Na visão “Ser a melhor Rede Odontológica do Estado do Amapá, a partir da aliança entre o conhecimento, tecnologia e humanização”. Nos valores seguirão a “Ética, Transparência, Qualificação Profissional, Valorização do Cirurgião Dentista e Colaboradores”.

O Planejamento também será marcado pela definição dos objetivos 2018/2020, indicação de projeções e ações, construção do modelo de gestão do plano, avaliação do trabalho e resultados, finalizando com o Momento Uniodonto.

“Além de um momento de planejamento esse encontro promove a aproximação dos cooperados. Renovamos e realinhamos nossas estratégias e ganhamos ainda mais gás para executar um trabalho de excelência em prol do cooperado e do beneficiário”, destacou a presidente da Uniodonto Amapá, Dra. Ana Valéria Silva.

O Planejamento seguirá neste sábado das 8h às 17h na sede da Uniodonto.

Sábado, 28 Outubro 2017 14:05

A Uniodonto Amapá – uma das mais fortes cooperativas do Estado – completou 20 anos de atuação, no último dia 23 de setembro. Para comemorar a data, a diretoria preparou uma solenidade em homenagem aos pioneiros e todos os cooperados. A cerimônia ocorreu na noite desta sexta-feira, 27, no Armazém, em Macapá.

Atualmente, mais de 70 odontólogos fazem do grupo a maior cooperativa do Estado para levar um importante atendimento de saúde bucal aos amapaenses. Para a presidente da Uniodonto, Dra. Ana Valéria da Silva, além de comemoração, o momento foi de gratidão a todos os cooperados, que ajudaram a construir a história do grupo no Amapá.

“A Uniodonto existe desde 1997 e eu estou há três anos e meio à frente desta cooperativa. A satisfação é grande porque peguei a gestão em um momento desafiador que o país atravessa, mas mesmo em meio a este momento, a Uniodonto avançou e se mantém sustentável. Mas gestão não se faz sozinha, então não há outra palavra que não seja ‘gratidão’ por todo empenho dos cooperados e colaboradores”, reconheceu Dra. Ana Valéria.

E a noite foi de homenagens. Destaque para os sócios fundadores. A odontóloga Dra. Ana Celene, que estava entre os primeiros 23 cooperados que construíram o estatuto da cooperativa, celebrou o aniversário de criação. “Eu lembro dos primeiros anos, que foram bastante difíceis. Mas nós tínhamos um sonho e não desistimos. Tenho orgulho de fazer parte desta família”, comemorou a pioneira.

Os sócios fundadores homenageados foram:

- Dr. Elder Márcio Cavalacante;

- Dr. Francisco Gonçalves Costeira;

- Dr. José Ribamar Brazão;

- Dr. Luiz Antônio Mota Lenzi;

- Dr. Marco Antônio Pereira Ferraro;

- Dr. Márcio Augusto Melo da Silva;

- Dr. Plácido José Lima Pereira;

- Dr. Raimundo Braga Barbosa;

- Dr. Yberê Ferreira Nery;

- Dra. Ana Celene Carvalho de Souza;

- Dra. Heloísa Helena Gonçalves;

- Dra. Iracelha Soares D’Athaide;

- Dra. Márcia Almeida Araújo;

- Dra. Nilza Pereira da Silva;

- Dra. Raimunda Mélia Portal;

- Dra. Wilma Cláudia de Souza;

- Dr. Nelson Benjamin do Carmo;

- Dra. Conceição Rodrigues Capiberibe ;

- Dra. Janete Ferreira Lima Cavalcante;

- Dra. Rilda Diniz da Cruz;

- Dra. Roseana Barros;

- Dra. Silvia Maria Ataide Nunes;

- Dra. Raimunda Vilmar Evangelista Lima.

“Essas pessoas sonharam há 20 anos que seria possível. Não foi fácil, pois todo início é difícil, mas eles apostaram e, duas décadas depois, a Uniodonto está aqui, uma das entidades mais respeitadas e reconhecidas do Amapá. Só temos que agradecer por essas pessoas que tiveram a coragem de apostar lá atrás”, resumiu a presidente.

O presidente da Organização das Cooperativas do Brasil no Amapá (OCB/AP), Gilcimar Pureza, destacou que a cooperativa tem muito a celebrar depois de duas décadas levando atendimento de saúde para a população do Amapá.

“A Uniodonto é um exemplo de grande sucesso do cooperativismo no Estado do Amapá, é uma referência, é uma inspiração. Ela é a primeira cooperativa do Estado. Há que se destacar, neste tempo, o importantíssimo trabalho social que os cooperados têm oferecido à comunidade amapaense. A Uniodonto Amapá está sempre presente nas ações sociais, seja do poder público ou da iniciativa privada, não só com as ações de atendimento, mas nos projetos educacionais, com ações educativas de prevenção. Isto mostra a importância desta cooperativa para o Estado”, ressaltou o presidente da OCB/AP.

O presidente do Conselho Regional de Odontologia, Nazareno Ávila, ressaltou a união dos cooperados durante a caminhada até o sucesso. “Os cooperados se especializaram, estão sempre buscando o conhecimento, esse é o diferencial da Uniodonto”, avaliou.

História
A cooperativa odontológica Uniodonto Amapá foi fundada no dia 23 de setembro de 1997, durante assembleia realizada no auditório do CRO (Conselho Regional de Odontologia), em Macapá. No encontro, foi discutido, votado e aprovado o Estatuto, eleição da diretoria e pedidos de filiação à Federação das Uniodontos das Regiões Norte-Nordeste do Brasil.

Veja as imagens desse grande evento em: fb/uniodontoap

Sexta, 27 Outubro 2017 09:56

É comum surgirem alguns machucados dentro da boca ou pelos lábios. Esses incômodos podem ser problemas com aftas ou também herpes, em alguns casos. Ambos são indicadores de enfraquecimento do sistema imunológico, servindo como uma forma de alerta para o paciente. As aftas são pequenas feridas que permanecem durante uma a duas semanas. Elas podem ser provocadas pela ingestão de alimentos ácidos que acabam desequilibrando o pH bucal. Contudo, o surgimento delas pode ser relacionado a alguns problemas hormonais, alergia ou estresse, por exemplo. Enquanto isso, o herpes é caracterizado por bolinhas avermelhadas na região dos lábios causada por um vírus. É uma doença contagiosa e infecciosa que pode aparecer em decorrência da falta de vitamina C, alimentação incorreta, falta de sono em dia e outros.

Segunda, 23 Outubro 2017 12:23


Uniodontos e Unimeds levam muito a sério a melhoria dos indicadores de gestão que resultam no aumento de sua competitividade. A prova disso é o ranking do Índice de Desempenho da Saúde Suplementar (IDSS 2017 – ano-base 2016) divulgado anualmente pela Agência Nacional de Saúde Suplementar.
Os resultados do Programa são traduzidos pelo Índice de Desempenho da Saúde Suplementar (IDSS), que varia de zero a um. Ele tem o objetivo de aferir o desempenho global das empresas e é calculado a partir de indicadores definidos pela ANS, distribuídos em quatro dimensões: Qualidade em Atenção à Saúde, Garantia de Acesso, Sustentabilidade no Mercado e Gestão de Processos e Regulação.
A lista contendo as operadoras com notas superiores a 0,9, desempenho extremamente positivo, inclui 120 posições, das quais 65 são ocupadas por cooperativas do Ramo Saúde. Vale destacar, ainda, que das 30 maiores notas, 21 foram de cooperativas, sendo 20 do Sistema Uniodonto.
Para o ano-base 2016, o IDSS médio da saúde suplementar foi de 0,80, um crescimento de cerca de 37% em relação ao IDSS médio do setor do ano-base 2010, que foi de 0,58, o que demonstra uma evolução positiva do desempenho do setor ao longo dos anos.
RECURSO
O resultado do IDSS, entretanto, poderá sofrer ajustes, já que as operadoras que não concordarem com a listagem preliminar poderão recorrer. O prazo para a interposição de recursos termina no dia 26 deste mês. Clique aqui para conhecer o ranking do IDSS 2017.

Fonte: Sistema OCB

Sexta, 20 Outubro 2017 13:33

Uma língua rosada é o tipo considerado como saudável. Assim como outras regiões da boca, ela pode ser uma maneira de indicar problemas de saúde. A descamação desta é chamada de língua geográfica, trazendo hipersensibilidade no momento da ingestão. Os pacientes que apresentam esse quadro podem indicar uma relação com doenças alérgicas ou dermatológicas, como por exemplo urticárias, rinite e psoríase. Além disso, uma língua inchada e avermelhada pode ser um sinal de carências de algumas vitaminas e de ácido fólico. Vale ressaltar a importância da limpeza da região para não acumular a saburra, formada por restos de comida, células da mucosa e bactérias.

Fonte: sorrisologia

Quinta, 19 Outubro 2017 14:15

O costume dos pequenos em chupar o dedo ou a chupeta é conhecido como sucção não nutritiva. A dentista explica que a maioria dos bebês possuem a necessidade desse hábito e largam, normalmente, até os quatro anos. É importante que os pais estimulem a criança a interromper a mania a partir dos três anos, como uma maneira de prevenir problemas na formação dos dentes. Além disso, outras causas como genética, respiração bucal e perdas precoces de dentes podem gerar má oclusão. Se os pais percebem a necessidade, o ideal é oferecer a chupeta ortodôntica, mais fácil de ser removida que a sucção de dedo.
Fonte: sorrisologia

Terça, 17 Outubro 2017 13:02
 
 
A colocação do aparelho ortodôntico não depende do crescimento de todos os dentes permanentes. Grande parte dos casos de más oclusões é causada por desequilíbrios no crescimento dos ossos da face, maxila e mandíbula. A atenção dos pais é de suma importância e deve-se levar o pequeno a um profissional após os cinco anos se perceberem alguma dessas desarmonias. O momento da troca dos dentes de leite pelos permanentes demanda uma análise para verificar se há espaço adequado para nascerem. Por meio da avaliação, o profissional identifica a necessidade do uso de aparelho, além de verificar qual o modelo mais indicado, de acordo com cada caso.
 
Fonte: Sorrisologia
Quarta, 11 Outubro 2017 14:56
Sábado, 29 Outubro 2016 21:42

O Dia do Cirurgião-Dentista, comemorado no dia 25 de outubro, foi marcado por uma ação social e um café da manhã no Centro de Saúde Frei Daniel de Samarate – Capuchinhos. O evento teve o apoio da Uniodonto Amapá.

A coordenadora do projeto social desenvolvido pelos Capuchinhos, Ivanete Mendes, destacou a importância dos parceiros nos atendimentos. “Hoje dispomos de uma equipe de odontólogos cedida de forma permanente pela Secretaria de Estado da Saúde. Ao todo são 19 profissionais que fazem os atendimentos”.

Em média, 200 pessoas recebem, semanalmente, tratamento odontológico no projeto. “Ver a colaboração e o entusiasmo dos odontólogos é gratificante. Somos referência não somente para os necessitados de Macapá, mas também do interior do Estado”, ressaltou o Frei Carlos, diretor do projeto social.

A presidente da Uniodonto Amapá, Dra Ana Valéria, ressaltou que a iniciativa de comemorar o Dia do Cirurgião-Dentista com os atendidos pelo projeto social foi uma forma de mostrar gratidão pela oportunidade de ajudar quem mais necessita. “Sou grata à minha profissão, pois é através dela que consegui o sustento da minha família. Hoje, realizamos esse trabalho social e melhoramos a saúde bucal da população mais carente atendida pelos Capuchinhos”, comentou.

O grupo de teatro da Uniodonto Amapá foi um dos destaques da programação. A peça teve como foco a importância que se deve ter com os cuidados básicos com a higiene bucal.

Em seguida, um café da manhã foi servido aos convidados.

 

Segunda, 11 Julho 2016 13:48

Imagine uma criança com cinco anos de idade, tendo a oportunidade de guardar um dos seus dentinhos de leite em um lugar apropriado. Ao chegar na vida adulta, essa pessoa descobre que é portadora de uma doença degenerativa e que pode tratar da saúde retirando uma célula-tronco da polpa daquele dente de leite que está guardado há anos.
O caso acima pode até parecer coisa de odontologia futurista, mas o que pouca gente sabe é que esse tipo de tratamento já é uma realidade aqui no Amapá.
A polpa do dente de leite é uma pequena massa de tecido vivo, composta de vasos sanguíneos, nervos e células-tronco. Essas células são denominadas “células-tronco mesenquimais multipotentes”, e as pesquisas demonstram que elas têm a capacidade de se transformar em uma ampla variedade de células, incluindo ossos, cérebro, nervos, coração e músculos.
No Amapá, a coleta do dente de leite para adequado armazenamento já é uma realidade sob a chancela da Dra Raimunda Vilmar Oliveira e a Dra Beatriz Lima, mãe e filha, colegas de profissão e dedicadas à essa novidade. “Antes, as células-tronco eram retiradas do cordão umbilical. Agora, os estudos apontam que o dente de leite também oferece essas células, sem contar que é uma obtenção bem menos invasiva. Na hora do parto, naquele sufoco, a pessoa não lembra de guardar o sangue do cordão umbilical. No entanto, a célula-tronco colhida da polpa do dente pode ser algo bem melhor planejado. É como se fosse um plano de saúde tanto para a pessoa, quanto para a família”, explicou a Dra Vilmar.

Como funciona?
Essa inovação funciona da seguinte forma: os interessados precisam entrar em contato com o Centro de Criogenia do Brasil (CCB), localizado em São Paulo, que é a instituição responsável por armazenar, de forma adequada, os dentes de leite. Mas, para que o dente chegue de forma adequada ao centro, é preciso que um dentista, devidamente qualificado no Amapá, faça a extração do dente de forma correta. No Estado, a Dra Vilmar e a Dra Beatriz são as únicas capacitadas para essa função. “Hoje se usa células-tronco para tratar doenças como Mal de Parkison, Alzeimer, para o Transtorno Altista, reparação do tecido muscular, cardíaco, ósseo, cartilagens, peles, da superfície ocular, entre outras. Quando você repara a célula causadora da doença, é possível que a pessoa se cure, amenize ou estagne a doença”, explicou a Dra Vilmar.
Devidamente armazenado no CCB, a pessoa paga uma quantia anual para manter o dente armazenado devidamente.

Para a família
Outra vantagem é que, aquele dente de leite guardado não serve, apenas, para a criança que extraiu, mas para toda a família. “Para a criança que extraiu o dentinho vai servir 100%. Para os pais, esse dente vai servir 70%, e assim sucessivamente”, explicou a Dra Beatriz Lima.
A obtenção da polpa do dente de leite é um processo não invasivo e que pode ser feito, naturalmente, durante o período de troca dos dentes da criança, entre os 5 e 12 anos.
A coleta do dente do siso também pode ser realizada, pois forneces as mesmas células-tronco do dente de leite. “Porém, não são todas as pessoas que possuem do dente do siso. Nesse caso, o mais indicado é que se programar com o dente de leite”, ressaltou a Dra Vilmar.

Sábado, 05 Março 2016 11:42

A cirurgiã dentista, Dra Heloisa Helena, é do tipo de profissional que não perde uma oportunidade para manter seus conhecimentos profissionais em dia. Somente no ano passado ela participou de cinco cursos de atualização e especialização nas mais diversas áreas odontológicas e de saúde pública.
Apesar de ter um conhecimento variado em sua profissão, ela disse que, ultimamente, tem atuado mais na área de próteses dentárias, restaurações e nos tão procurados tratamentos estéticos.

Presença garantida
Em abril de 2015, a Dra Heloisa Helena participou do curso de odontologia hospitalar que hoje vive dentro de uma nova realidade. “Muita gente não sabe, mas hoje é obrigatório que o dentista faça parte da equipe hospitalar, o que antes não era. Às vezes, o paciente que está internado precisa de um acompanhamento de um dentista. E isso se explica pelas descobertas de que algumas bactérias existentes na boca são levadas para outros órgãos, ocasionando dificuldades na melhora do paciente ou até mesmo no seu óbito. Através das necropsias foi constatado que tais bactérias da boca circulavam por órgãos vitais, causando doenças e até a morte. A frase de que a saúde começa pela boca é mais do que certa”, disse.

Interação
As últimas novidades sobre a odontopediatria também foram estudadas pela Dra Heloisa Helena, principalmente quando o assunto é a interação dessa especialidade com as demais áreas. “Muitos problemas que são constatados nos primeiros anos de vida ganham maiores chances de tratamento. A odontopediatria precisa estar conectada com as demais áreas para que o paciente tenha mais chances de tratamento da doença detectada”, ressaltou.

Docência
Os desafios da docência diante dos avanços da odontologia também foram ressaltados pela Dra Heloisa Helena, tema de curso que também participou no ano passado. O curso abordou os desafios atuais diante das necessidades quando o assunto é formação de futuros odontólogos. “Hoje não basta mais que o professor tenha apenas conhecimento técnico sobre odontologia. É preciso que ele tenha preparo docente para atuar como professor nas faculdades”, ressaltou.

Terapias
As novas técnicas e recursos terapêuticos para os casos envolvendo oclusopatia na dentição decídua, outro tipo de conhecimento especializado buscado pela Dra Heloisa Helena, mostra que problemas na dentição são possíveis de serem evitados acabando com os maus hábitos logo nos primeiros anos da criança. “O dentista quando identifica maus hábitos na criança, como por exemplo, o uso excessivo de pipo, consegue evitar que no futuro essa criança venha usar aparelho ortodôntico para correções. Quanto mais cedo esses maus hábitos forem detectados pelos odontólogos, maiores são as chances de evitar má formação da arcada dentária”, alertou.

Responsabilidade civil
Mas a Dra Heloisa Helena não buscou apenas conhecimento técnico em sua profissão. Ela destacou que estar por dentro das responsabilidades éticas é tão importante quanto saber das últimas novidades envolvendo tratamentos odontológicos. Esse foi um dos temas abordados durante um curso que destacou a atuação ética dos odontólogos. “A quebra de regras durante a atuação na odontologia pode gerar responsabilidades judiciais. O dentista precisa atuar até um determinado momento. Se ele atuar fora da sua área corre o risco de estar cometendo uma infração ética”, disse.
Outro problema enfrentado na profissão é a falta de inscrição de profissionais no Conselho Regional de Odontologia (CRO). “Se um dentista comete uma infração ética e não está inscrito no Conselho, fica difícil chamar esse profissional para que cumpra com suas responsabilidades. Daí a importância de que o profissional ele esteja legalizado e inscrito no CRO até mesmo para que seja orientado quanto as legalidades da profissão”, alertou.

Sorriso de artista
Um dos últimos cursos de atualização feitos pela Dra Heloisa Helena foi o de imersão de laminados, um tipo de tratamento estético que vem chamando a atenção quando o assunto é um belo sorriso. “Os laminados são como se fossem lentes de contato para os dentes. É uma espécie de película que oferece ao paciente um novo sorriso”, explicou.
Assim como qualquer tratamento novo, a utilização dessas películas como tratamento estético ainda tem um preço alto. “Vale ressaltar que não é todo paciente que pode usar essas películas. Existem critérios. Se a pessoa é fumante ou toma café em excesso dificilmente poderá usar esse tipo de tratamento”, explicou a Dra Heloisa.
São poucos os aparelhos de laminados existentes no Brasil. O preço (em média U$S 30 mil) restringe bastante sua aquisição pelos profissionais que trabalham com estética odontológica. Porém, os odontólogos que já utilizam esse tipo de tratamento e que ainda não possuem o aparelho podem recorrer aos laboratórios espalhados pelo Brasil. O mais próximo do Amapá fica em Belém (PA).

Segunda, 14 Dezembro 2015 00:59

 


A família do Dr Marcos Eulógio de Oliveira é uma das referências na odontologia. Com mais de 37 anos de profissão, ele e suas duas filhas, Dra Carolina e Dra Marcela Ferreira de Oliveira, traduzem a tradição, a dedicação e o compromisso com seus pacientes.
Dr Marcos, Dra Carolina e Dra Marcela nos brindam, nesta edição, com suas histórias de vida. “Minha inspiração para a odontologia encontrei no meu avô, Dr Francisco Oliveira. Morávamos no Rio de Janeiro e duas vezes por ano ele nos visitava. Quando eu tinha sete anos, ele fez uma pergunta para mim e aos meus irmãos: quem quer ser dentista igual ao vovô? Imediatamente eu respondi positivamente”, lembrou.
A resposta dada ao avô não foi esquecida. Ao completar 16 anos, Dr Marcos tomou a decisão de colocar em prática seus planos profissionais. “Cheguei com meu pai e disse: pai, está na hora de cumprir o que meu avô me disse quando era pequeno. De ir para Belém do Pará estudar odontologia”, relembrou.
Dr Marcos lembra até hoje a expressão de surpresa do pai. “Arrumei minhas coisas e vim do Rio de Janeiro para Belém, onde cheguei no dia 22 de agosto de 1971. Foi na capital paraense que terminei o ‘Científico’ que hoje é o Ensino Médio. Prestei vestibular e passei na Universidade Federal do Pará em janeiro de 1978. Formei no dia 22 de julho de 1982”, contou.
Depois de formado, Dr Marcos resolveu dedicar cinco anos à vida militar na Marinha do Brasil, onde serviu até março de 1987. “Foi quando apareceu o concurso da Polícia Militar do Pará. Fiz e passei. Em agosto de 1989, na semana que eu iria ingressar, recebi um convite para vir trabalhar na Icomi, no interior do Amapá. Eu aceitei o convite de conhecer a empresa e recebi uma proposta financeira irresistível. Então tomei a decisão de abandonar a carreira na polícia e iniciar uma nova vida no município de Serra do Navio, na Icomi”, contou.
Após cinco anos e meio trabalhando na mineradora, Dr Marcos tomou um novo rumo na vida: vir morar para Santana. “Montei meu consultório na Salvador Diniz, em frente ao Hospital Municipal e estou aqui até hoje”, lembrou.

A decisão das filhas
Enquanto Dr Marcos se dedicava à profissão, chegava a hora das filhas Dra Carolina e Dra Marcela Ferreira de Oliveira, até então duas jovens adolescentes, decidirem que rumo profissional tomar.
Chegado o momento, a Dra Carolina Ferreira de Oliveira, primeira filha do casal, não pensou duas vezes: “quero seguir os passos do meu pai”, recordou.
Na época, Dr Marcos tomou a decisão de mandar Dra Carolina Oliveira para estudar em Belém, uma vez que ainda não existia o curso de odontologia em Macapá. “Após cinco anos de estudos, Dra Carolina Oliveira voltou para o Amapá onde atua até hoje”, disse Dr Marcos.
Já a segunda filha, Dra Marcela Ferreira de Oliveira, por pouco não seguiu por uma profissão completamente diferente do pai e da irmã. “Ela sempre gostou de desenhos, moda, design. Foi quando procuramos um curso na área que ela queria e encontramos na Unama, em Belém. E no caminho para o aeroporto, repentinamente ela tomou a decisão de voltar para casa e cursar odontologia”, ressaltou.

Evolução
Durante a entrevista, foi inevitável comparar a odontologia de décadas atrás com a de hoje. “A odontologia evoluiu muito. Lembro que quando me formei havia, apenas, seis especialidades. Hoje são cerca de 25. Até mesmo os avanços da indústria facilitaram o crescimento da odontologia”, destacou.
Mas, se por um lado a tecnologia e as especialidades cresceram e avançaram, um outro fator também continuou em alta: o medo dos pacientes quanto aos tratamentos dentários. “É impressionante. O paciente que sofreu um trauma em algum momento da vida vai ter medo de dentista sempre que for ao consultório. Hoje com os avanços, os tratamentos deixaram de ser dolorosos”, ressaltou.
Ele lembra que, em 2004, quando tomou a decisão de sair da Icomi e vir trabalhar em Santana, no município só existiam quatro dentistas. “Acredito que influenciei muitos jovens santanenses a escolher a profissão. Nos tornamos referência na área e isso me orgulha muito. Lembro que eu chegava no consultório 8 horas da manhã e só encerrava 8 horas da noite. Era um mundo para ser tratado”, finalizou.

Quarta, 02 Setembro 2015 11:22

Dr Ulisses Guimarães Neto: “É possível ter um belo sorriso e melhor qualidade de vida com os tratamentos ortodônticos”

 

O cirurgião dentista, Dr Ulisses Guimarães Neto, tem contribuído para a odontologia amapaense. Concluiu o mestrado em ortodontia, uma das áreas que mais tem crescido dentro da odontologia. 

Amapaense, teve que sair do Estado, no final da década de 90, para cursar o ensino superior. “Em 1999, fui para Belém (PA) estudar Veterinária. No quarto ano eu abandonei para fazer odontologia. De lá para cá, vivo e respiro essa profissão. Graduei-me pela Universidade Federal do Pará (UFPA), fiz alguns cursos de pós-graduação e hoje concluo o mestrado pela Faculdade São Leopoldo Mandic, em Campinas (SP)”, resumiu.
Tanta dedicação à profissão o levou a coordenar o único curso de odontologia do Amapá, oferecido por uma das faculdades do mercado. “As primeiras turmas de odontologias que formaram no Amapá foram durante a minha gestão na coordenação”, ressaltou.

 

Grande procura
Nos últimos anos, a ortodontia cresceu de forma repentina. Para Ulisses, essa demanda pode ser explicada pela popularização do tratamento. “Essa demanda crescente pela ortodontia pode ser explicada pelo fato de que o público adulto viu que era possível fazer a correção ortodôntica, proporcionando qualidade de vida, através da correção dos dentes e da melhor estética. Os dentes muito bem alinhados contribuem para a positividade da pessoa”, destacou.

 

Preços acessíveis
A popularização dos tratamentos ortodônticos também passa pelos preços que estão mais acessíveis. “Junto a isso tivemos um avanço científico e tecnológico que proporciona um leque muito maior de tratamentos”, frisou.
Hoje, quem procura os tratamentos ortodônticos dispõe de vários tipos de aparelhos e vários tipos de planejamentos diferentes. Atualmente, na ortodontia já estão à disposição os aparelhos estéticos, convencionais, autoligados, a ortodontia lingual, além dos alinhadores invisíveis que é uma outra tendência de mercado.
O tempo de tratamento também reduziu bastante. “Hoje o paciente não tem mais aqueles tratamentos tão longos como antigamente. Com os avanços, conseguimos reduzir muito o tempo de tratamento”, ressaltou Ulisses.
No Amapá, a maior procura é pelos aparelhos estéticos (pouco perceptíveis) e os aparelhos autoligados. “Esses últimos, quando você faz a movimentação ortodôntica existe um atrito menor e uma agilidade maior”, explicou.

 

Profissional capacitado
Com tanta procura, é preciso que o paciente tenha cuidado na hora de escolher seu ortodontista. “É preciso saber se esse profissional é qualificado, se tem a expertise de planejamento para que escolha o tratamento mais adequado ao caso. Isso tudo vai culminar em um resultado satisfatório. O ortodontista mexe com a parte estrutural do rosto do paciente. Pode-se alcançar resultados fantásticos, desde que esse profissional esteja capacitado da maneira mais adequada”, alertou o Dr Ulisses.

 

Idade para tratamento
Se antes a ortodontia era mais voltada para crianças e adolescentes, hoje poucos limites existem para esse tipo de tratamento. “Com o passar dos anos os adultos entenderam que poderiam sim tratar dos dentes visando a correção ortodôntica. Se a idade não é um limite, é preciso que o paciente tenha as condições de higiene necessárias, ter a quantidade de osso necessária e ter força de vontade para levar o tratamento até o fim”, disse.

 

Causas
São vários os motivos que podem levar uma pessoa a precisar fazer um tratamento ortodôntico. “Pode ter, na infância, uma perda precoce de um dente; existem os fatores genéticos; base óssea e tamanhos dos dentes diferentes, entre outras causas. O mais importante é que hoje temos formas e formas para melhor tratamento para o paciente. É possível ter um belo sorriso e melhor qualidade de vida com os tratamentos ortodônticos”, concluiu.

Quinta, 25 Junho 2015 20:31

Dra Ludimila Rechene: Reconhecimento internacional

 

Poucas mulheres amapaenses possuem o reconhecimento profissional que a Dra Ludimila traz em seu currículo. De uma família de odontólogos, ela encontrou na tia e na mãe o estímulo para seguir a profissão. Este ano, Ludimila recebe títulos e reconhecimento internacional por sua dedicação à odontologia. “Minha história com a odontologia começou com uma mulher chamada Waldomira de Paula, que é tia da minha mãe. Ela foi uma das primeiras mulheres a se formar em odontologia na Amazônia, em 1917, em uma época em que as mulheres não estudavam, ficavam em casa dedicando-se aos afazeres domésticos. Ela foi essa inovadora na região Norte, pertencendo a primeira turma de odontologia da UFPA (Universidade Federal do Pará). A partir dela, minha mãe, Dra Fátima Pinheiro da Silva, também cursou odontologia. Eu faço parte da terceira geração de dentistas da família, inclusive tenho um irmão que também é odontólogo, assim como tios e primos”.
Hoje completando 15 anos de profissão, Ludimila não encontra obstáculos que não possam ser superados. “Já entrei na faculdade pensando fazer ortodontia que é a minha área. Tive que ir para Belém estudar porque aqui no Amapá não tinha o curso na universidade federal. Passei com 16 anos e formei aos 21 anos. Logo em seguida, fui aprovada para o mestrado na PUC-Minas. Quando concluí o mestrado, voltei para Macapá em 2005 para começar a trabalhar”, lembrou.
Entre suas atividades profissionais, Ludimila atende clinicamente em sua especialidade e ainda é professora de ortodontia da Associação Brasileira de Odontologia do Amapá. Nos últimos dois anos, tem atuado na área de auditoria na própria cooperativa que faz parte: a Uniodonto Amapá. “Foi um convite que surgiu na época, feito pela então presidência da cooperativa, e desde então faço o trabalho de auditagem. Em fevereiro deste ano assumi a coordenação da auditoria da Uniodonto, convite feito pela atual presidência, e para isso tive que me especializar em auditoria e gestão em saúde”, disse.


Conciliar suas atividades não é fácil, porém, Ludimila disse que sua busca na área da pesquisa científica lhe favoreceu. “Foi aí que veio a premiação. Durante o mestrado publiquei alguns trabalhos a nível nacional e internacional. Três dos meus artigos foram publicados nos Estados Unidos. Hoje faço parte da WFO (World Federation of Orthodontists), que é a Federação Mundial de Ortodontia. Anualmente vou aos EUA para o congresso da Associação Americana de Ortodontia. No dia 20 de abril recebi uma carta de Cambridge do IBC – Institute Biographic Center – que se dedica a escrever a biografia das pessoas. O critério de escolha se dá pela relevância do profissional a nível local, nacional e internacional. Como estive à frente da abertura do primeiro curso de Odontologia do Amapá, na Fama, instituição que fica na Amazônia que por sinal chama a atenção de todo o mundo, conseguiram chegar até mim.

Por conta disso e das pesquisas científicas, meu nome foi indicado para que eu receba a comenda este ano em um congresso que vai acontecer em Edimburgo (Escócia) sobre arte, comunicação, ciência e tecnologia”, explicou.
Todo esse know-how reflete diretamente na qualidade do serviço prestado aos seus pacientes, aos usuários da Uniodonto Amapá, e também no ensino acadêmico. “Seja em qualquer uma das áreas que eu atuo, busco sempre prestar um serviço de excelência, uma vez que a odontologia deve ser vista como uma ciência e não como mero comércio”, finalizou.

Sábado, 06 Junho 2015 19:28

O Dr Alexandre Alcolumbre e a Dra Adriana Gato, ambos cooperados da Uniodonto, são exemplos de dedicação ao trabalho. Sócios da Clínica Life, que foi recentemente inaugurada, oferecem aos clientes o que há de mais moderno em tratamentos odontológicos.

Quinta, 15 Junho 2017 20:50

A odontologia assim como outras ciências da saúde tem evoluído de forma crescente e favorável a tratamentos menos invasivos e mais agregadores de valores estéticos, psicológicos e com qualidade de vida.

Hoje o tratamento odontológico esta muito além de uma restauração para remover cárie, a busca por um sorriso bonito envolve o tratamento dentário, um sorriso e um lábio em harmonia com a face, por este motivo não é recomendado dissociarmos estética oral de estética facial.

Pensando nesta situação o Conselho Federal de Odontologia, órgão legislador das profissões na odontologia, autoriza o cirurgião-dentista a utilizar toxina botulínica e preenchedores faciais para fins terapêuticos funcionais e estéticos descrito na resolução n.176/2016.

A especialista em Ortodontia, Dra. Marly Barbosa, é capacitada em Estética Orofacial e Hormônios na Odontologia e explica que os dentistas podem realizar estes procedimentos pois envolvem anatomia e fisiologia dos tecidos da cavidade oral e da face comum aos procedimentos que o dentista já realiza na sua rotina diária. “Estamos apto do conhecimento destas estruturas, capacitados e habilitados por meio de cursos e capacitações para aplicação destas substâncias podendo atuar nesta área com mais segurança e destreza”.

Estas técnicas minimamente invasivas utilizando toxina botulínica e preenchedores faciais vem auxiliar no tratamento e finalização de casos tratados na odontologia. A Toxina Botulínica tipo A é um complexo protéico purificado, de origem biológica, obtido a partir da bactéria Clostridium botulinum. Quando são injetadas pequenas quantidade nos músculos, a Toxina Botulínica atua na placa motora do músculo promovendo o bloqueio muscular. A sua durabilidade está entre 3 a 6 meses o que determina este período são características do próprio paciente.

A especialista explica que a Toxina Botulínica pode ser indicada nos casos de Sorriso gengival, diminuindo a exposição de gengiva durante o sorriso; Sorriso assimétricos, melhorando o sorriso de pacientes que elevam mais um lado que outro do lábio; Lábios (boca): modelar a boca dando um efeito “tooth show” quando não se precisa de volume e sim de contorno.

Mas os benefícios vão além. Dra. Marly complementa que o tratamento também pode ser aplicado na disfunção de ATM/ bruxismo/ briquismo, onde a toxina pode diminuir a atividade muscular e consequentemente dores faciais crônicas e efeitos do bruxismo durante o sono ou em vigília. Como também, no aumento de volume do musculo masseter e/ou temporal, tendo em vista que a movimentação constante destes músculos pode levar a uma hipertrofia (aumento de volume) e podem levar a uma aparência antiestética, as vezes assimétrica da face, fraturas e desgaste dentário, de restaurações, de próteses e próteses sobre implantes.

A modernidade garante ainda mais sucesso aos tratamentos. Dra. Marly explica que o preenchedor facila com ácido hialuronico atende o desejo de ter e manter o rosto jovem e bonito. A substância produzida naturalmente pelo organismo humano e que está presente principalmente na pele, tem a função de reter água, conferindo hidratação e volume.

“Com o passar do tempo e o processo de envelhecimento, esta substância que temos reduz e vemos uma diminuição na hidratação e elasticidade da pele resultando em perda de volume, alterações no contorno da face, e o surgimento de rugas e marcas de expressão. Por isso indicamos a aplicação”.

A durabilidade da aplicação do produto está em torno de 6 meses a 1 ano dependendo do tamanho da molécula utilizada, da profundidade do sulco e do local da aplicação.

O ácido hialurônico pode ser indicado nos Lábios (boca), para reposição do volume e contorno labial perdido; Preenchimento de “black space”, para papila gengival preenchendo os espaços escuros presentes na gengiva entre um dente e outro; Sulco Nasogeniano (bigode chinês), linhas de marionete, e o angulo nasal - indicado como coadjuvante ao pós-tratamento ortodôntico ou reabilitador com próteses.

Lílian Guimarães
Comunicação Uniodonto
Jornalista e RP
Especialista em Comunicação
Santa Mídia Comunicação
(96)98124-9681

Segunda, 10 Abril 2017 11:26
 
Os cooperados da Uniodonto Amapá esclarecem assuntos variados do nosso cotidiano para mantermos uma boa saúde bucal. A Odontopediatra e Ortodontista, Dra. Érika Barbosa, destaca os benefícios do flúor e a forma correta de aplicação.  
 
O flúor é um mineral encontrado na natureza. Porém, para que seja útil e eficaz na prevenção e tratamento das lesões da doença cárie, ele precisa ser transformado em laboratório para a forma de fluoreto (íon). O fluoreto poderá ser adicionado a uma série de produtos, sendo os mais frequentes em pastas de dentes, soluções para bochechos e compostos de uso tópico profissional (verniz, gel ou mousse).
 
Sua atuação no processo de cárie consiste em dois efeitos:
 
1 - PREVENTIVO - Se ele estiver diariamente presente na saliva, previne o dente da Desmineralização (perda de minerais pelo dente), que é causada por ácidos produzidos após ingestão de açúcares;
 
2-  TERAPÊUTICO - Se os dentes já têm desmineralização (perda), o fluoreto atua nessas áreas desmineralizadas, reforçando o esmalte em um processo denominado remineralização (ganho).
 
Dra. Érika que é Odontopediatra, esclarece  que desde 2008, a pasta de dente com flúor é indicada já a partir do primeiro dente do bebê, mesmo sabendo que ele irá engolir. 
 
"O fluoreto é como qualquer outro medicamento, e deve ser utilizado na concentração exata e na prescrição correta (frequência e quantidade na escova) orientada por um odontopediatra atualizado. Utilizado assim, não terá problema algum", explicou a dentista.
 
A Odontopediatra complementa dizendo que o protocolo é baseado em evidências científicas, recomendado pelas entidades que regem a saúde bucal e geral no mundo inteiro. Não deve ser uma conduta pessoal.
 
"A escolha do creme dental deve ser baseada somente na indicação do Odontopediatra e não  meramente em personagens, formas ou cores que atraem a criança. É preciso estar atento ao produto", alertou.
 
É importante ressaltar, que os pais devem levar os filhos ao dentista, a partir, dos seis meses de vida, com retorno semestralmente. A escovação dos dentes deve ocorrer sempre após as refeições, não esquecendo de utilizar o fio dental.
 
Lílian Guimarães 
Comunicação Uniodonto 
Jornalista e RP 
Especialista em Comunicação 
Santa Mídia Comunicação 
Quinta, 06 Abril 2017 10:34

Popularmente conhecido como tratamento de canal, a endodontia gera muitas dúvidas nos pacientes. Entre elas: se o tratamento dói, se o dente fica enfraquecido ou se ocorre mudança da coloração do dente. A cooperada da Uniodonto Amapá, Dra. Wilma Souza, esclarece algumas dessas dúvidas.

O que é o tratamento de canal?

A Endodontista explica que é o tratamento da polpa, que é uma estrutura situada na parte interna do dente e raiz. Nessa região está localizado o nervo e vasos sanguíneos do dente, responsáveis por sua vitalidade. O tratamento de canal ou tratamento endodôntico consiste na remoção da polpa dental, que é um tecido com vasos sanguíneos e nervos localizados na parte mais interna do dente. Esta pode estar sadia ou infectada e, ao ser removida, é substituída por um material obturador.

Quando o tratamento de canal é indicado?

A cooperada da Uniodonto Amapá, pontua que de modo geral, o tratamento é indicado em duas situações: Primeiro, quando a polpa vital (viva) se apresenta inflamada, com dor espontânea em decorrência da exposição da dentina por cárie profunda, trauma, fratura coronária (coroa do dente), retração gengival, etc; Segundo, quando a polpa perde a vitalidade (polpa necrosada) e compromete a estrutura que envolve a raiz, provocando inflamação da membrana periodontal e do osso de modo assintomático.

Quais os sintomas mais característicos?

Para a endodontista os sintomas estão ligados aos quadros agudos, com dor espontânea isto é, o dente começa a doer sem estímulo de forma latejante, e que aumenta com o calor. Em fases mais adiantadas da inflamação, a dor pode irradiar-se para regiões mais afastadas, sendo difícil distinguir qual o dente afetado. Neste caso, a polpa ainda está viva, porém inflamada, e o uso de analgésicos não resolve. Já quando há morte da polpa, geralmente a dor é bem localizada, havendo sensação de “dente crescido” e dor ao mastigar, porém em alguns quadros crônicos os sintomas são ausentes ou mal caracterizados, sendo que a descoberta de um dente lesionado é resultado de exames periódicos de rotina ao dentista.

O tratamento de canal enfraquece o dente?

A Dra. Wilma explica que em muitos casos, quando o dente requer o tratamento de canal, ele já está muito enfraquecido devido o comprometimento em virtude da cárie. Por isso é necessário escolher profissionais capacitados para que definam os melhores materiais a fim de restaurar e proteger a estrutura do dente.

É comum sentir dor após o tratamento de canal?

A Endodontista alerta que não! É normal que o paciente sinta a região onde foi realizado o tratamento e o local da aplicação da anestesia mais sensível, mas não em virtude do tratamento de canal.

O dente morre depois do tratamento de canal?

Dra. Wilma esclarece que o dente continua vivo, pois ainda possui todos os tecidos periodontais que o nutrem e fixam na boca. Apenas parte da sensibilidade dental é afetada.

O dente escurece após o tratamento de canal?

A profissional compartilha que é uma dúvida muito frequente, e explica que o dente escurece devido a hemorragia interna, que pode ocorrer em decorrência de um trauma, ou se o cimento utilizado na obturação for um cimento de coloração escura. Por isso é importante utilizar cimentos brancos que não promovem escurecimento da coroa e raiz dentais.

O que acontece se o tratamento de canal não for feito?

Dra. Wilma enfatiza que se o paciente não realizar o tratamento de canal quando necessário, poderá ocorrer o surgimento de fortes dores, infecção no tecido ósseo rente ao ápice da raiz levando à um abscesso dento-alveolar agudo, com muito inchaço e altíssimo risco das bactérias migrarem para a corrente sanguínea.

Pequenas e micro-infecções crônicas no ápice das raízes também podem provocar vários tipos de doenças sistêmicas como a endocardite bacteriana, acidentes vásculo-cerebrais (derrames), nascimento prematuro de bebês e abscessos pulmonares.

Dra. Wilma destaca que é importante que o paciente procure um profissional especializado para tirar qualquer tipo de dúvida e garantir o sucesso do tratamento.


Lílian Guimarães
Comunicação Uniodonto
Jornalista e RP
Especialista em Comunicação
Santa Mídia Comunicação
(96)98124-9681

Domingo, 02 Abril 2017 20:43

A Uniodonto Amapá conta com inúmeros profissionais capacitados para atender em todas as especialidades odontológicas. A Dra. Carolina Ferreira, especialista e mestranda em Endodontia, é uma das cooperadas Uniodonto. Ela explica que a endodontia do século XXI está mais rápida, moderna, eficaz e fácil. Um procedimento que há 40 anos atrás levava 3 ou 4 sessões, provocando o esgotamento físico e psíquico dos profissionais e pacientes, hoje é feita em apenas uma única sessão com duração média de 1h30.

“Com a tecnologia, a endodontia ganha motores e limas específicas que fazem todo o trabalho pesado pelo endodontista, não precisamos hoje em dia exigir muito dos nossos dedos e tendões, fazendo os movimentos de limagem, principalmente quando nos deparamos com dentes de 4 ou 5 condutos”, relata a Especialista.

A cooperada compartilha que era muito comum no passado levar profissionais ainda no início da profissão a sofrer com problemas posturais causados pelas más posições e tendinites por esforços repetitivos (L.E.R).

“Com a endodontia moderna temos recursos que nos proporcionam melhores condições de trabalho, logo, nos trazem melhores resultados nos tratamentos e maior longevidade na profissão”, comemora.

A inclusão da magnificação, ou seja, o uso de microscópios ou lupas óticas que proporciona uma excelente visualização do campo operatório pode-se ver com mais clareza condutos escondidos, diferenciando calcificação pulpar de assoalho pulpar, e evitando perfurações ou desgastes desnecessários.

As diversas marcas de motores endodônticos juntamente com as limas que hoje em dia possuem um certo grau de flexibilidade, ajuda a vencer dentes com raízes curvas, o que para anos atrás era um infeliz desafio para os endodontistas, haja visto que suas limas eram mais rígidas, incapazes de acompanhar as curvaturas dos dentes, ocasionando os desvios dos canais e perfurações das raízes, o que a curto prazo levava a perda do elemento.

Outro recurso inovador são os localizadores apicais, que vieram para substituir as radiografias de odontometria, ou seja, as radiografias que mediam o tamanho dos dentes (condutos).

“Este recurso para os tempos atuais nos trouxe três benefícios: ganho de tempo; mais fidelidade da medida deste conduto e diminuição tanto do profissional quanto do paciente na exposição à radiação”, finalizou Dra. Carolina.

A endodontia moderna é sinônimo de simplicidade quando comparada aos métodos antigos.

Lílian Guimarães
Comunicação Uniodonto
Jornalista e RP
Especialista em Comunicação
Santa Mídia Comunicação e Marketing
(96)98124-9681

Terça, 21 Março 2017 16:04

A relação de atenção e confiança estabelecida entre um profissional e o paciente é fundamental para garantir o sucesso do tratamento. E quando falamos de pacientes portadores de algum tipo de necessidade especial, essa dedicação deve ser ainda maior.

Neste dia 21 de março é comemorado o Dia Internacional da Síndrome de Down, e no que se refere ao atendimento odontológico, a atenção aos pacientes especiais tem sido priorizada, alcançando muitos avanços.

Rafael Pereira, de16 anos, tem Síndrome de Down, e desde os 4 anos é paciente da Dra. Vilmar Lima. A relação de respeito e confiança estabelecida entre os dois é muito forte.
O consultório da dentista aparenta ser a extensão da casa de Rafael. Totalmente à vontade, ele segue as coordenadas da profissional, e deixa que ela execute com tranquilidade o atendimento. O sorriso do pai, no fundo da imagem, demonstra a tranquilidade e satisfação da excelência do atendimento ofertado ao filho.

“Faço o acompanhamento periódico dele. Os pais tem total confiança, e ele principalmente. A criança portadora de Síndrome de Down, assim como qualquer criança, deve ser levada ao dentista ainda no primeiro ano de idade, antes mesmo do nascimento dos primeiros dentes”, explica a dentista.

Dra. Vilmar é especialista em Odontopediatria, Ortodontia e Ortopedia Facial, ela conta que ao tratar de um paciente portador da Síndrome de Down, o cirurgião-dentista deve estar atento, primeiramente, às limitações desse paciente. Depois, é preciso conhecer os diferenciais que esses pacientes apresentam, principalmente quando se trata dos aspectos craniofaciais e bucais.

“Devemos ficar atento a algumas alterações de ordem geral, dental e craniofacial presentes nesses pacientes, podemos citar o atraso na erupção dos dentes, a baixa incidência de cáries e a alta suscetibilidade a doenças periodontais”, explicou a profissional.

O atendimento a portadores de Síndrome de Down deve ser feito levando-se em consideração todos os diferenciais desses pacientes. Se o paciente frequentar o consultório dentário desde a infância, o tratamento torna-se mais simples, como é o caso do Rafael.

Estudos comprovam que um paciente especial que começa a frequentar o dentista ainda no primeiro ano de vida pode ser tratado normalmente e reage bem ao tratamento. Eles costumam ser amorosos e fáceis de lidar, possibilitando um tratamento odontológico tranquilo.

É importante que a família procure um profissional capacitado para o atendimento aos pacientes portadores de síndromes e outras necessidades, todo o sucesso do tratamento depende de uma boa interação paciente e profissional.

Lílian Guimarães
Comunicação Uniodonto
Jornalista e RP
Especialista em Comunicação
Santa Mídia Comunicação
(96) 98124-9681

Sexta, 24 Fevereiro 2017 12:24

A milenar sabedoria popular ensina que “sorrir é o melhor dos remédios”. De fato, já foi comprovado, cientificamente, que o sorriso faz bem, pois transparece alegria e mostra estética, além de outros bons aspectos. Contudo, em um sorriso pode haver mais que beleza e alegria: é nele que pode estar o segredo de um campeão.

No mundo esportivo, escancarar a boca e mostrar os dentes é a reação que mais acompanha a vitória. Mas, o que muitos profissionais do esporte não sabem é que o sorriso precisa ser preparado antes da conquista, que ele é fundamental para que a vitória aconteça.

A odontologia ensina que um sorriso saudável é responsável direto por muitos triunfos no esporte, já que até mesmo uma simples inflamação na gengiva pode atrapalhar o desempenho de um atleta.

Cooperada da Uniodonto Amapá, Dra. Vilmar Lima é Especialista em ortopedia facial, ortodontia e odontopediatria, ela explica que os cuidados com a saúde bucal podem interferir na performance até mesmo dos esportistas de alto rendimento.

Ela avisa que sem os cuidados básicos os problemas podem se tornar mais complexos do que se imagina. Uma infecção bucal, por exemplo, caso bastante comum, pode se tornar perigosa se uma bactéria adentrar na corrente sanguínea e alcançar os músculos ou o coração.

“Até uma cárie esquecida pode tomar proporções maiores, sem tratamento. Isto com certeza pode interferir no treinamento e, para um atleta profissional, isso pode significar muito tempo de trabalho jogado fora”, alerta a especialista.

Ela exemplifica com o caso dos nadadores. É comum que este tipo de competidor apresente a dentição suscetível a doenças bucais, como cáries ou oclusão dentária (problemas de posicionamento), devido ao contato frequente da boca com as substâncias contidas nas águas das piscinas.

A Dra Vilmar lembra que mesmo os atletas de ponta, como os competidores olímpicos, acabam relaxando com a saúde bucal. Ela cita que o Journal of Sports Medicine – jornal britânico especializado em medicina esportiva – realizou um estudo sobre a saúde bucal dos atletas que participaram das Olimpíadas de Londres, em 2012.

A pesquisa mostrou que quase a metade, 46,5%, não fez tratamento dentário no ano que antecedeu o evento. Além disso, 55% deles tinham cárie, 45% erosão dentária. No resultado final, 28% afirmaram ter sentido impacto na qualidade de vida e 18% que a falta de cuidados com a própria boca influi no treinamento e na performance.

Vilmar enfatiza que, a exemplo dos desportistas, a maioria da população não leva a sério a saúde bucal. “Muitas pessoas, inclusive os atletas, só lembram do dentista quando sentem dor ou ocorre outro problema mais grave”, lamenta a odontóloga.

Segundo ela, a frequência ideal para um desportista profissional consultar o odontólogo é a cada quatro meses – dois meses a menos que a recomendação para a população, que é de seis meses.

Vilmar Lima garante que, até mesmo para atletas, medidas simples, como a escovação mais frequente dos dentes, já garantem uma boca mais saldável. “Além disso, cuidar do próprio sorriso pode ajudar a encurtar o caminho para as grandes vitórias”.

Assessoria de Comunicação Uniodonto Amapá
Santa Mídia Comunicação e Marketing

Segunda, 11 Julho 2016 13:41

A Dra Daiz Nunes foi a odontóloga escolhida, no Amapá, para levar a Tocha Olímpica na sua passagem pelo Estado, no dia 16 de junho.
A escolha da Dra Daiz Nunes é reflexo do trabalho desenvolvido por ela no projeto Dentistas do Bem. No Amapá, ela e outros 68 odontólogos voluntários participam deste projeto social que há dez anos é executado no Estado.
O “Dentistas do Bem” identifica adolescentes de baixa renda, que necessitam de tratamento odontológico e lhes proporciona qualidade de vida por meio do acesso à saúde bucal. “Um adolescente que não tem possibilidade de ir ao dentista e de cuidar da boca, será um adulto infeliz. Isto porque quem sente dor não estuda, não brinca, não consegue um bom emprego, não beija na boca e se afasta dos amigos. O acesso à saúde bucal de qualidade faz com que esses jovens sejam incluídos novamente na sociedade”, afirma Dra Daiz Nunes.
Ela destacou a parceria que sempre teve da Uniodonto Amapá na execução do projeto social. “Sempre encontramos na Uniodonto Amapá o apoio necessário. A escolha para levar a tocha olímpica também passa pela parceria que nosso trabalho possui”, comentou.
A Dra Daiz percorreu 200 metros com a tocha, utilizando uniforme padrão enviado pela coordenação do evento. “Foi um momento único para a odontologia amapaense”, concluiu.

Domingo, 24 Janeiro 2016 15:28

O cirurgião dentista, Dr Ulisses Guimarães Neto, tem contribuído para a odontologia amapaense. Concluiu o mestrado em ortodontia, uma das áreas que mais tem crescido dentro da odontologia.
Nos últimos anos, a ortodontia cresceu de forma repentina. Para Ulisses, essa demanda pode ser explicada pela popularização do tratamento. “Essa demanda crescente pela ortodontia pode ser explicada pelo fato de que o público adulto viu que era possível fazer a correção ortodôntica, proporcionando qualidade de vida, através da correção dos dentes e da melhor estética. Os dentes muito bem alinhados contribuem para a positividade da pessoa”, destacou.

Preços acessíveis
A popularização dos tratamentos ortodônticos também passa pelos preços que estão mais acessíveis. “Junto a isso tivemos um avanço científico e tecnológico que proporciona um leque muito maior de tratamentos”, frisou.
Hoje, quem procura os tratamentos ortodônticos dispõe de vários tipos de aparelhos e vários tipos de planejamentos diferentes. Atualmente, na ortodontia já estão à disposição os aparelhos estéticos, convencionais, autoligados, a ortodontia lingual, além dos alinhadores invisíveis que é uma outra tendência de mercado.
O tempo de tratamento também reduziu bastante. “Hoje o paciente não tem mais aqueles tratamentos tão longos como antigamente. Com os avanços, conseguimos reduzir muito o tempo de tratamento”, ressaltou Ulisses.
No Amapá, a maior procura é pelos aparelhos estéticos (pouco perceptíveis) e os aparelhos autoligados. “Esses últimos, quando você faz a movimentação ortodôntica existe um atrito menor e uma agilidade maior”, explicou.

Profissional capacitado
Com tanta procura, é preciso que o paciente tenha cuidado na hora de escolher seu ortodontista. “É preciso saber se esse profissional é qualificado, se tem a expertise de planejamento para que escolha o tratamento mais adequado ao caso. Isso tudo vai culminar em um resultado satisfatório. O ortodontista mexe com a parte estrutural do rosto do paciente. Pode-se alcançar resultados fantásticos, desde que esse profissional esteja capacitado da maneira mais adequada”, alertou o Dr Ulisses.

Idade para tratamento
Se antes a ortodontia era mais voltada para crianças e adolescentes, hoje poucos limites existem para esse tipo de tratamento. “Com o passar dos anos os adultos entenderam que poderiam sim tratar dos dentes visando a correção ortodôntica. Se a idade não é um limite, é preciso que o paciente tenha as condições de higiene necessárias, ter a quantidade de osso necessária e ter força de vontade para levar o tratamento até o fim”, disse.

Causas
São vários os motivos que podem levar uma pessoa a precisar fazer um tratamento ortodôntico. “Pode ter, na infância, uma perda precoce de um dente; existem os fatores genéticos; base óssea e tamanhos dos dentes diferentes, entre outras causas. O mais importante é que hoje temos formas e formas para melhor tratamento para o paciente. É possível ter um belo sorriso e melhor qualidade de vida com os tratamentos ortodônticos”, concluiu.

Terça, 08 Setembro 2015 16:27

Avanços atuais do tratamento endodôntico

O tratamento endodôntico é um procedimento clínico dentro da área da odontologia que sempre despertou receio ou mesmo medo em muitos pacientes; o tratamento endodôntico evoluiu muito nos últimos anos e esse receio não tem mais fundamento nos dias atuais.
Nos últimos anos, podemos dizer que houve uma verdadeira revolução em relação ao tratamento endodôntico, com a introdução de novas tecnologias e mudanças nos conceitos biológicos. A evolução do tratamento endodôntico pode ser observada com o surgimento de novas tecnologias, entre as quais radiografia digital, localizadores apicais eletrônicos, ultrassom, instrumentos rotatórios e uso de microscópio clínico, que possibilitam a realização de uma endodontia segura e rápida, com resultados mais previsíveis do que os alcançados alguns anos atrás.
Das novas tecnologias disponíveis atualmente na endodontia, os localizadores apicais eletrônicos são, para muitos profissionais, os mais importantes. Esses equipamentos têm como objetivo localizar o final do canal radicular, isto é, ele informa ao profissional qual o comprimento exato do conduto radicular, permitindo uma instrumentação e limpeza de toda sua extensão, com a obturação chegando mais próximo do ligamento periodontal. Sabe-se, entretanto, que em muitos casos o comprimento do conduto radicular não coincide com o comprimento da raiz do dente, e essa diferença dificilmente é identificada na imagem radiográfica.


Outro equipamento muito importante para o endodontista atualmente é o microscópio clínico. Em países desenvolvidos, como nos Estados Unidos da América (EUA), ele é parte obrigatória dos cursos de especialização em endodontia. O microscópio pode ser empregado com sucesso em qualquer área da odontologia. Contudo, foi na endodontia que ele teve maior adesão por parte dos profissionais. Seu uso possibilita uma ampliação e iluminação da câmera pulpar e dos condutores radiculares, fornecendo uma imagem até então nunca visto pelo endodontista. Isso permite um tratamento mais seguro e previsível por parte do profissional, pois ele passa a dominar a anatomia interna do dente com muito mais segurança.


A instrumentação endodôntica também sofreu modificações substanciais. A chegada de limas confeccionadas em liga de níquel- titânio promoveu uma nova era na instrumentação endodôntica, permitindo que esta possa ser realizada com sistemas rotatórios, que promovem uma melhor padronização no preparo dos canais e, quando associados a , técnicas de obturação termoplastificadas, fazem com que o tratamento possa ser realizado de forma bastante rápida, reduzindo consideravelmente sua duração.


A introdução de radiografias digitais na rotina do tratamento endodôntico adiciona um avanço significativo em relação à avaliação e diagnostico de alterações ósseas das regiões perirradiculares. Acompanhando os avanços tecnológicos, novos materiais têm sido empregados no tratamento endodôntico. O uso de clorexidina como agente antisséptico em solução líquida ou gel assegura uma descontaminação efetiva dos canais radiculares durante o preparo, sem risco de acidentes para o paciente. A presença de novos materiais obturadores, que incorporam as vantagens dos sistemas adesivos em relação a fornecer um vedamento mais eficiente dos canais, aparece como uma tendência para o futuro da obturação endodôntica, como o cimento AH Plus, MTA Fillapex, ENDO REZ.
É importante que as pessoas saibam que a perda de um único dente pode trazer muitas complicações, influenciando inclusive na sua qualidade de vida. Portanto, torna-se essencial preservar e manter os dentes na cavidade bucal e, em razão disso, não há justificativa extrair um dente por medo de submeter-se ao tratamento endodôntico ou- como diz a maioria das pessoas- de realizar o tratamento do canal do dente.

Dra Aline Lobato de Oliveira Leão CRO.321/AP
Especialista em Endodontia
Especialista em Implantodontia
Professora de Endodontia no GOE- AP

Sexta, 26 Junho 2015 14:48

Desembargadora Sueli Pini

Uniodonto e TJAP: “Um convênio de bons incentivos”

 

Vemos nos dias atuais a fusão e outras formas de parcerias de empresas dos mais diversos setores. Tais parcerias têm como objetivo a redução de custos e a soma de esforços e recursos a fim de aproveitar melhor as oportunidades e os desafios apresentados pelo mercado.

Parceria estratégica não é um conceito novo, mas, no Brasil, a prática de empresas dispostas a serem parceiras no mercado ainda pode crescer. Estabelecer uma parceria estratégica é propor à outra companhia um relacionamento em que ambos os lados se beneficiem. É o que os especialistas chamam de ganha-ganha.
Uma dessas parcerias que deu certo no Estado é a realizada há mais de dez anos entre a Uniodonto Amapá e o Tribunal de Justiça. Para falar sobre o assunto, entrevistamos a presidente do Judiciário, desembargadora Sueli Pini.
Segundo ela, o TJAP guarda mesmo uma tradição de cooperação com órgãos público e com o segmento privado. “Temos muito claro que a conjugação de atividades resulta em melhoria para todos e racionaliza os custos, daí que quem ganha é o usuário. A Uniodonto, como outras entidades de prestação de serviços, foi recepcionada pelo TJAP e tem importante contribuição para a manutenção da saúde bucal dos magistrados e serventuários e, ainda, de seus familiares.
Sueli Pini diz ainda que o Departamento de Recursos Humanos do TJAP mantém um canal de comunicação cotidiano com os membros e serventuários da Justiça, anunciando as parcerias e os serviços subsidiados à disposição dos interessados. Evidentemente que os parceiros podem e devem promover divulgação dos seus serviços então colocados à disposição dos servidores. A propaganda é para isso mesmo: relembrar ao consumidor o que ele pode ter.
O Departamento Médico do TJAP tem programação contínua de saúde preventiva, inclusive aquela que depende de bons hábitos e permanente prevenção como é a saúde dentária. “Convênios como o da Uniodonto é um dos bons incentivos. Mas bem sabemos que cabe a cada indivíduo o cuidado e a priorização de sua saúde, que começa com alimentação adequada e atividades físicas supervisionadas. Além, claro, de disciplina mental para não superdimensionar os estresses diários e manter boa estabilidade emocional”, disse Pini.
Para ela, as instituições públicas devem ser as primeiras a ter programas de responsabilidade social. “Todos devemos contribuir para elevar a prosperidade das pessoas. Todavia, o cuidado que se precisa ter é para não promover o assistencialismo que tanto mal faz a uma sociedade, pois estimula a dependência e fomenta um circulo vicioso de comodismo e de manipulação. As pessoas devem ser trabalhadas para conquistar elas próprias seus êxitos. Nada mais civilizado que conseguir as coisas pelo próprio esforço, pelo próprio mérito.

Segunda, 06 Março 2017 12:59

 

A Uniodonto do Brasil foi reconhecida como uma das cem melhores organizações fornecedoras para Recursos Humanos de 2017 e a primeira no segmento Planos Odontológicos, no prêmio concedido pelo Grupo Gestão RH.

O Diretor de Operações e Mercado da Uniodonto do Brasil, Dr.José Clovis Tomazzoni de Oliveira, recebeu o prêmio em celebração realizada na noites de 21 de fevereiro, no, em São Paulo e compartilhou a conquista com os colaboradores da Cooperativa, como você vê na foto.

A metodologia se baseia em análises quantitativas e qualitativas. As empresas indicam as melhores prestadoras de serviços por meio de questionários eletrônicos.

Criada em 2007, a pesquisa tem como objetivo valorizar o trabalho das empresas fornecedoras de produtos ou serviços para o departamento de RH e avaliar as práticas direcionadas aos clientes nas áreas de: Benefícios, Talentos, Tecnologia para RH, Gestão do Negócio e Facilities & Services. A metodologia se baseia em análises quantitativas e qualitativas.

A primeira fase da pesquisa envolveu profissionais que atuam na área de gestão de pessoas das principais empresas do Brasil, que puderam escolher até dez empresas dos 41 segmentos selecionados no estudo “Os Melhores Fornecedores para RH”.

As empresas mais votadas nessa primeira fase da pesquisa foram listadas entre os “300 Melhores Fornecedores para RH” e, consequentemente, avaliadas em uma segunda etapa.

Após a escolha dos “300 Melhores Fornecedores para RH”, foi iniciada a segunda fase, que contou com a avaliação dos próprios clientes destas empresas, por meio de um questionário eletrônico e serve como base para identificação dos “100 Melhores Fornecedores para RH”, assim como Destaques por Categorias e Segmentos, 10 Mais e Empresa do Ano.

Sábado, 05 Março 2016 12:08

 

No dia 9 de novembro, esteve em Macapá, a convite da diretoria executiva da Uniodonto Amapá, o Dr. José Alves, presidente da Uniodonto do Brasil. A sua visita foi marcada por uma agenda de reunião com a diretoria executiva da cooperativa, encontro com os cooperados e visita a nova sede da cooperativa.
À noite participou de um encontro com 38 cooperados.

Na ocasião foram feitas reflexões sobre o sistema Uniodonto, mostrando com dados a sua força econômica e social. Em seguida falou das forças externas que ameaçam o sistema, mas que ao mesmo tempo estimulam e desafiam cada cooperado a fazer cada vez melhor. Falou ainda da câmera intraoral como ferramenta para auxiliar no diagnóstico, para dar conhecimento ao paciente, como marketing e como defesa jurídica. Continuou a sua conversa franca e instrutiva com a apresentação do padrão TISS e a criação de comitês na Uniodonto Brasil para garantir as boas práticas do sistema. Por último, informou como a ANS avalia o sistema por meio do IDSS e destacou o desempenho da Uniodonto Amapá com nota de 0,93%, sendo um dos melhores entre as 117 cooperativas que formam o sistema Uniodonto. “Foi uma conversa abrangente para falar de cooperativismo, da atual situação do país, planos de saúde e odontológicos. Porém, um dos tópicos conversados foi a importância dos cooperados estarem juntos em todos os momentos. É importante, que todos tenham os mesmos objetivos”, destacou.

Visita à obra
Na manhã seguinte, Dr José Alves esteve visitando a nova sede administrativa da Uniodonto Amapá. “Este empreendimento só foi possível em virtude da força do cooperativismo, pois se cada profissional estivesse só seria muito difícil construí-lo. Vejo como a cooperativa está investindo em qualidade. Uma obra como essa mostra força e deixa claro que todos estão juntos”, destacou.

Na ocasião, Dr José Alves falou para equipe jornalística da “Uniodonto Amapá Informa” sobre o momento que atravessamos no país. Foi feita a seguinte pergunta: Como avançar em momentos de crise? José Alves citou uma frase de Roberto Rodrigues, ex-ministro da Agricultura do governo federal: “as cooperativas são filhas da crise”, lembrando que o cooperativismo nasceu durante a Revolução Industrial em um momento também conturbado economicamente. “É claro que de uma forma ou outra a crise afeta as empresas parceiras das cooperativas, porém, esse impacto até agora tem sido pequeno. Nossa expectativa para o próximo ano é muito boa. Estamos em um processo de readequação de rotinas, processos e relacionamentos, discutindo o modelo assistencial e remuneratório. Todas essas mudanças são importantes para o sistema do ponto de vista do cliente e do cooperado”, finalizou.

Quarta, 02 Setembro 2015 12:25

Novo portal da Uniodonto Amapá oferece mais serviços, informação e agilidade no atendimento

 


O novo site da Uniodonto Amapá está no ar. O trabalho foi desenvolvido por uma empresa especializada e promete oferecer aos beneficiários o que há de mais moderno na web.
O trabalho de elaboração do site durou pouco mais de dois meses. Foi um processo iniciado do zero e que envolveu diversos colaboradores. “O site anterior tinha algumas dificuldades, entre as quais se destacavam: a falta de padronização, a ausência de integração com os sistemas corporativos da Uniodonto Amapá e versão inadequada para as novas formas de acesso em celulares e tablets”, explicou Clayton Nogueira, da VIU Soluções, empresa responsável pelo novo portal da Uniodonto Amapá.
João Paulo Nogueira, do setor de tecnologia da cooperativa, lembrou que o antigo portal atendia na época às necessidades, no entanto “o serviço de manutenção do antigo site era terceirizado e não estava conseguindo atender às necessidades, ficando desatualizado e com uma tecnologia antiga. Por conta disso, resolvemos contratar a VIU Soluções para que fizesse uma análise. Tivemos que criar um novo site do zero. Hoje, temos uma tecnologia atualizada, o portal pode ser modificado a qualquer momento buscando sua melhoria, sem dificuldades em fazer novas alterações”, explicou João Paulo Nogueira.

Elaboração
O primeiro passo para a elaboração do novo site foi identificar todas as demandas da Uniodonto Amapá, o que podia ser melhorado, o que seria obrigatório em conformidade com o que preconiza a Agência Nacional de Saúde Suplementar - ANS, analisando os pontos críticos. Em decorrência disso, os módulos de trabalho foram criados. Assim, “montamos um calendário de programação e fomos cumprindo as etapas. Essa primeira fase a qual levaria, aproximadamente, 3 (três) meses foi antecipada e com 2 (dois) meses projeto já estava operando. Estrategicamente, foi tomada a decisão de revitalizá-lo, destacou o gerente geral da Uniodonto Amapá, Egídio Pacheco, enfatizando que como ferramenta deveria melhorar o canal de comunicação com os beneficiários, cooperados e o público em geral. No projeto de construção do novo site foi definido que alguns serviço seriam mantidos (segunda via de boletos, guia odontológico, etc.) e outros seriam incorporados (currículos online, simulação de planos, e até a própria ouvidoria que vai ser lançada no site)”, destacou Clayton Nogueira, da VIU Soluções.
Segundo pesquisas, a internet é hoje a segunda maior fonte de informação buscada pelos beneficiários. “Daí a necessidade da Uniodonto Amapá ter um portal atualizado. O site também abrange o informativo da cooperativa. Além disso, tem as mídias sociais que a cooperativa também já está fazendo um trabalho voltado para esse público. Todo mundo utiliza as redes sociais e essa nova visão presente na internet está sendo um referencial dessa gestão”, ressaltou Clayton Nogueira.

Mais novidades
Ao falar em tecnologia e internet, palavras como mudanças e novidades são constantes. Tanto os beneficiários, quanto os cooperados da Uniodonto Amapá podem aguardar mais novidades até o final do ano.
Uma das novidades é a área dedicada no portal ao projeto social que começa a ser desenvolvido pela Uniodonto Amapá. Denominado “Seu Sorriso Revela Saúde”, o mesmo levará orientação aos estudantes das escolas públicas e atendimento às crianças da Casa da Hospitalidade em Santana. “Do ponto de vista de resultados, acreditamos que o novo portal vai ser uma importante ferramenta para conectar o beneficiário e o cooperado. A Uniodonto Amapá vai apenas prover esse contato”, finalizou Clayton Nogueira.

Sexta, 26 Junho 2015 14:56

Auditoria por Imagem
Nova tecnologia para o avanço da odontologia

 

O Dr José Alves de Souza, diretor presidente da Uniodonto Brasil, falou conosco sobre uma novidade que cada vez mais se expande no sistema Uniodonto: a auditoria por imagem. Confira:

UniodontoAP Informa - Como surgiu a ideia de implantar na Uniodonto Brasil a Auditoria por Imagem?
Dr José Alves - Inicialmente é importante ressaltarmos que a imagem não é só utilizada para auditoria, os benefícios para os clientes e para os profissionais de saúde são muitos. Com relação a sua utilização em auditoria, ela é uma saída para garantir aos clientes que não utilizaremos Exames Radiográficos desnecessários, conforme determinação de nossos Conselhos, além de ser uma ferramenta importante para aferição da qualidade dos serviços prestados.

UniodontoAP Informa - Qual a importância de se utilizar esse tipo de procedimento?
Dr José Alves - A auditoria por imagem segue as normas da “Melhoria Contínua” que esta sendo utilizada nos países mais desenvolvidos e que garantem uma qualidade diferenciada nos atendimentos à saúde (Não só na odontologia). Dentre outras vantagens ela possibilita uma participação maior do “cliente” nas definições e realizações dos procedimentos a que será submetido, garante segurança ao profissional que as realiza uma vez que documenta os procedimentos realizados, diminuindo assim a possibilidade de ações indenizatórias de responsabilidade civil.

UniodontoAP Informa - A Auditoria por Imagem oferece às empresas um método mais preciso de controle e detalhamento?
Dr José Alves - Com certeza a utilização de imagens possibilita uma visão mais detalhada do campo clínico e permite uma ação mais efetiva na realização dos procedimentos, e de seus controles. Neste momento é importante ressaltar que os controles são somente aqueles que estão estabelecidos nas regras de segurança e qualidade definidos pela pratica odontológica. Por exemplo, ninguém discute que restaurações e próteses devam estar bem adaptadas, que devam devolver a função estética e mastigatória do elemento dentário. Logo a utilização de imagem somente irá documentar que os procedimentos realizados estão efetivamente dentro dos padrões definidos pela literatura e prática odontológica.

UniodontoAP Informa - O senhor acredita que esse tipo de auditoria é uma tendência?
Dr José Alves - Eu tenho certeza de que é um processo sem volta, uma vez que como disse anteriormente, não se trata da utilização de imagens somente para a auditoria mas sim como ferramenta de melhoria continua nos atendimentos em saúde, e aqui em especial na odontologia.

UniodontoAP Informa - Qual a avaliação que o senhor faz dos resultados obtidos por esse procedimento?
Dr José Alves - Temos que olhar para esta ferramenta com a mente aberta, e com a certeza de que todos os Cirurgiões Dentistas estão aptos a realizarem uma odontologia com a qualidade que foram preparados em suas faculdades, então, a utilização principal de imagem não é a auditoria dos processos mas a melhoria da qualidade dos processos o que dá segurança os clientes (beneficiários) e também aos profissionais que utilizam esta (não tão) nova tecnologia.
Hoje em dia, a nossa vida esta linkada a várias tecnologias, todos nós inclusive as crianças convivemos com whatsapp, emails, linkedin, twitter, sms, etc… Gravamos vídeos, tiramos fotos de tudo, inclusive de documentos (quase aposentando definitivamente o recém utilizado fax) com a maior facilidade, nos mantemos conectados 24 hora por dia; esta na hora de utilizarmos novas tecnologias para o avanço de nossa querida odontologia.

Sábado, 06 Junho 2015 19:40

Com o objetivo de promover a saúde bucal entre os trabalhadores, a Uniodonto Amapá lançou o Projeto de Saúde Corporativa, uma iniciativa inovadora e de orientação nas próprias empresas.

Quarta, 02 Setembro 2015 12:48

A Uniodonto Amapá é a terceira da Região Norte a adotar um sistema que vem revolucionando a forma de auditoria. A implantação da Câmera Intraoral já é uma realidade no Estado é promete agilizar a relação odontólogo, paciente e cooperativa. “No momento contamos com onze cooperados que já estão utilizando o sistema de câmara intraoral, para fazer a auditoria por imagem. Com esse sistema eliminamos a necessidade do paciente ter que se deslocar até a cooperativa para fazer a auditoria do procedimento”, explicou o diretor financeiro da Uniodonto Amapá, Dr. Rubens da Rocha Portal Júnior.
Com a utilização da câmera intraoral, todo o processo fica facilitado tanto para o paciente, quanto para o dentista. “Antes o paciente tinha que ir ao consultório odontológico, e depois se deslocar até a sede da cooperativa para fazer auditoria. Depois disso ele tinha que retornar ao consultório, fazer o tratamento para depois voltar à sede da cooperativa. Com a implantação da câmera, o paciente vai ao consultório, se houver a possibilidade ele já faz todo o tratamento na hora, sem necessitar vir até a cooperativa. O cirurgião dentista vai tirar as fotos para fazer a auditoria. Isso vai servir para certificar que o tratamento foi feito e com qualidade”, explicou.

Pioneirismo
A Uniodonto de Araraquara (SP) foi a pioneira no Brasil a adotar esse tipo de serviço. “Nós, da Uniodonto Amapá, fomos até lá buscar esse treinamento para ser implantado aqui no Estado. Acompanhamos de perto como funciona a parte de auditoria e dos consultórios. Na Região Norte, a pioneira a adotar esse sistema foi a Uniodonto Manaus, onde já funciona há, pelo menos, 2 (dois) anos. Nós do Amapá somos a terceira a implementar essa inovação”, disse Rubens.
A expectativa é que em 1 (um) ano, todos os consultórios cooperados da Uniodonto Amapá estejam utilizando a câmera intraoral. “É um investimento razoável que a cooperativa está financiando para o cooperado. O treinamento é coletivo, depois vamos em cada consultório dar o treinamento individual”, concluiu.

Sexta, 26 Junho 2015 20:25

Foi aprovada a prestação de contas do Exercício de 2014 do Conselho de Administração. O aval foi dado durante assembleia geral ordinária, realizada no dia 30 de março deste ano.

 

Localização

Rua. Dr Marcelo Cândia, 925 - Santa Rita - Macapá/AP | Telefone: (96) 3222-3237, 3222-3247 e 3222-0125.

Funcionamento de segunda-feira a quinta-feira 08:00-18:00, sexta-feira de 08:00 as 17:00.

 

História

A cooperativa odontológica Uniodonto Amapá foi fundada no dia 23 de setembro de 1997, durante assembleia realizada no auditório do CRO (Conselho Regional de Odontologia), em Macapá. No encontro, os presentes discutiram a aprovação do Estatuto, eleição da diretoria e pedidos de filiação à Federação das Uniodontos das Regiões Norte-Nordeste do Brasil.

Visão

Acreditamos na saúde bucal como qualidade de vida e satisfação do nosso cliente.